CACHOEIRA DO SUL PREVISÃO
Ricardo Peró Job

Luzes & Sombras

Selvageria
O Talibã, que segundo uma "foca" da CNN "pareciam amistosos" durante a tomada do poder no Afeganistão, pouco a pouco continua avançando na restrição às liberdades das mulheres. Na semana passada, um decreto publicado por Hibatullah Akhundzada, chefe supremo do Talibã, determinou que as afegãs usem em público um véu que as cubra dos pés à cabeça, de preferência a burca.
Palhaçada
Na semana passada, a primeira-dama Michelle Bolsonaro e a ministra da Mulher, Cristiane Rodrigues Britto, falaram em cadeia nacional sobre o Dia das Mães. Por menos de cinco minutos, Michele e a titular da pasta da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos teceram considerações sobre o dia festivo e falaram sobre os programas do governo direcionados às mulheres. Foi o suficiente para que o PT entrasse com uma representação no TSE acusando Jair Bolsonaro de fazer campanha antecipada para a reeleição através de sua mulher. Parece que esqueceram da campanha do então presidente Luiz Inácio da Silva, o "Lula", na qual apresentou como sua sucessora Dilma Rousseff intitulando-a como a "Mãe do PAC., um projeto que deixou centenas de obras inacabadas e serviu para encher o bolso de muitos "companheiros". Já o deputado Carlos Sampaio, líder do PSDB na Câmara, protocolou no Ministério Público Eleitoral uma representação contra o pré-candidato à Presidência Luiz Inácio da Silva, o "Lula" por fazer campanha eleitoral antecipada em função do discurso do petista na cidade de Sumaré, em São Paulo, no qual pediu que seus apoiadores votassem "agressivamente no 13". Nos dois casos, as queixas são ridículas. Faz parte do protocolo e dos afazeres de uma primeira-dama o que Michele fez. O caso de "Lula" é ainda mais ridículo. Esperava o deputado que o ex-presidente pedisse que seus militantes votassem em quem? Tais absurdos são frutos de nossa intrincada, burocrática e ridícula legislação eleitoral, comandada pela sua não menos ridícula e desnecessária Corte, a Justiça Eleitoral, que aliás, só existe no Brasil.
Macron
O francês Macron, recém reeleito, realmente é um inimigo do Brasil. Sua cruzada para prejudicar o agronegócio brasileiro para alavancar a produção de grãos européia - em especial a ineficaz e altamente subsidiada produção francesa - é quase uma obsessão. "Quando importamos a soja produzida a um ritmo rápido a partir da floresta destruída no Brasil, nós não somos coerentes. Nós precisamos da soja brasileira para viver? Então nós vamos produzir soja europeia ou equivalente", declarou recentemente o francês. Ele mente. Desde 2008, a "Moratória da Soja", um pacto ambiental celebrado entre entidades de agricultores, ONGs e o governo brasileiro, assegura que a soja produzida no bioma amazônico deve ser livre de desmatamento. O Brasil, maior exportador de soja do mundo, diferentemente da França, possui uma legislação ambiental extremamente rigorosa e possui domínio tecnológico para dobrar a atual produção em áreas já utilizadas, não necessitando de novas áreas para o plantio. Toda a produção nacional de soja possui controle de origem.
Oportunidade agrícola
Nos dias 19 e 20 de maio, na cidade de Paulínia, em São Paulo, acontecerá o 1º Seminário Internacional do Lúpulo, evento irá compartilhar experiências, desafios e oportunidades acerca dessa nova cultura introduzida no País. Apesar do Brasil ser o terceiro maior produtor de cerveja no mundo, é dependente da importação de lúpulo, produzindo apenas 1% do lúpulo consumido no país. Somente em 2021, foram importadas 4.721 toneladas do produto. Embora a produção nacional tenha crescido de 9 para 24 toneladas, entre 2020 e 2021e já tenha 190 produtores cadastrados, ainda está longe da auto-suficiência. Originária do hemisfério norte, a planta apresenta melhor desenvolvimento em climas frios, a temperatura ideal para o plantio de lúpulo pode variar de 5°C a 22°C.. Nas flores da planta é formada a lupulina, utilizada no preparo da bebida. A planta é perene e produz uma vez por ano. O seu crescimento é rápido, chegando a crescer até 30 cm por dia. A altura média da planta é de 5 metros.

Missão

Ser o veículo de integração da comunidade, contribuindo para o seu desenvolvimento com informação precisa, responsável e imparcial..

(51) 3724-4368 | (51) 9-9745-8687 | CACHOEIRA DO SUL | RS | BRASIL